Pernambuco PDF Imprimir E-mail




Origem e Formação do nome

Foram os índios que deram ao estado o nome de Pernambuco – Paranampuka, em tupi, significa o mar que bate nas pedras.

 

História do Estado

A origem do Estado de Pernambuco encontra-se nas terras doadas como capitania hereditária pelo Rei de Portugal a Duarte Coelho, que chegou a Pernambuco, então denominado Nova Luzitânia, em 1535, estabelecendo-se em Olinda.

Em 1537 foram fundadas as vilas de Igarassu e de Olinda, a primeira capital do Estado. A prosperidade de Pernambuco, que teve início com o cultivo da cana-de-açúcar e do algodão, atraiu grande número de europeus para a região.

Entre 1630 e 1654 a região foi ocupada pelos holandeses, que incendiaram Olinda e fizeram de Recife a capital de seu domínio brasileiro. Durante esse período, o Conde Maurício de Nassau governou o Brasil holandês, administração que foi marcada por mudanças de natureza econômica, social e cultural.

A forte resistência dos portugueses e brasileiros de origem luzitana, africana e índia, já cristianizados, acabou resultando na expulsão dos holandeses. A história do Estado de Pernambuco é permeada por conflitos e revoltas de vários tipos.

Em 1710 explodiu a Guerra dos Mascates, conflito que opôs os comerciantes portugueses instalados em Recife aos senhores de engenho de Olinda, muito influentes na capitania, uma vez que em Olinda encontrava-se a sede do poder público na época.

A partir desse episódio a região passou por uma fase de declínio que durou quase um século. Em 1811, ocorreram várias revoltas de cunho separatistas.

Em 1817, o descontentamento com a administração portuguesa provocou a chamada Revolução Pernambucana, que resultou no surgimento da Confederação do Equador, movimento separatista de inspiração republicana.

Vinte anos mais tarde, explode a Rebelião Praieira, trazendo de volta os ideais republicanos. O movimento foi sufocado quatro anos mais tarde, em 1848.

Fonte: www.mre.gov.br

 

Dados Demográficos

Capital: Recife

Região: Nordeste

População: 8.413.593 (estimativa 2005)

Área: 98.526,6 km2

Densidade demográfica: 80,4 habitantes por km2

Número de municípios: 185

Vegetação: mangues no litoral, zona da mata de floresta tropical e agreste com caatinga.

Clima: tropical atlântico no litoral e semi-árido no interior

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH): 0,705 (2000)

Participação no PIB Nacional: 2,7% (2003) 

 

Meio Ambiente

Seu relevo apresenta a baixada litorânea e o planalto com altitudes pouco elevadas: 76% estão abaixo de 600 metros e 62% entre 300 e 600 metros. O ponto culminante é a Serra da Boa Vista com 1.195 metros de altitude. O estado divide-se entre litoral, mata, agreste e sertão.

Sua vegetação é a floresta tropical e a caatinga. Atualmente a floresta devastada cedeu espaço aos campos de cultura e pastagens artificiais. A hidrografia é formada por rios que correm diretamente para o Atlântico, como o Goiânia, Capibaribe, Ipojuca, Camarajibe e Uma e pela bacia do Rio São Francisco, que divide Pernambuco da Bahia.

Com exceção do São Francisco e dos rios litorâneos, todos os outros são temporários. O litoral de Pernambuco, com 187 km de extensão, um dos mais belos do país, possui desde praias urbanas a paraísos quase intocados, onde turistas e pernambucanos encontram sol e calor o ano inteiro.

Além do continente, está sob a jurisdição do estado o arquipélago de Fernando de Noronha, considerado pela Unesco, Patrimônio Natural da Humanidade. A ilha oceânica, distante 545 quilômetros do Recife, é composta por 16 praias de areia branca e água cristalina.

 

Culinária

A culinária pernambucana, de influências indígena, africana e portuguesa, mistura as tradições com os sabores, cores e perfumes do estado, oferecendo uma comida muito apreciada.

Entre alguns pratos típicos, destacam-se: o arrumadinho, a buchada de bode, o bredo (guisado) de coco, a caldeirada, o charque à brejeira, a carne-de-sol de macaxeira, o jabá com jerimum, a peixada pernambucana e o sarapatel.

Entre os pratos doces: bolo de macaxeira, bolo de rolo, canjica, pamonha, bolo de pé-de-moleque, pudim de tapioca, entre outros.

 
Quem somos | Termos de uso
Viajando pelo Brasil | Datas comemorativas | Sala dos professores

Copyright © 2018 - IBEP - Coleção Eu Gosto - Todos os direitos reservados Um produto Editora IBEP