Rio de Janeiro PDF Imprimir E-mail




Origem e Formação do nome

Coube à primeira expedição exploradora da costa leste do Brasil encontrar em 1º de janeiro de 1502 a magnífica baía da Guanabara.

Pela data e pelo costume, então vigente, de ser designado rio qualquer embocadura, mesmo não sendo de caráter estritamente fluvial, a esta foi dada a denominação, e sempre mantida, de Rio de Janeiro.

História do Estado

Em 1534, a região está dividida entre duas capitanias: São Vicente, ao sul, e São Tomé, ao norte. Em 1555, os franceses ocupam a área e só em 1567 são expulsos definitivamente.

Em 1565, Estácio de Sá funda a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, que se torna sede do Governo do Sul quando, em 1572, o rei de Portugal divide o Brasil em duas administrações. A pecuária, o cultivo da cana-de-açúcar e a agricultura de subsistência garantem um rápido progresso, que aumenta com a transformação do porto do Rio em escoadouro da riqueza extraída de Minas Gerais. Em 1763, torna-se capital do vice-reino.

A mudança da família real para o Brasil, em 1808, dá extraordinário impulso à região, transformada em sede do reino português. Em 1834, a cidade do Rio de Janeiro é transformada em município neutro e a capitania é elevada a província, com sede em Niterói. De 1889 a 1960, é a capital da República.

Com a mudança da capital para Brasília, em 1960, o município do Rio de Janeiro tornou-se o Estado da Guanabara. Em 1975, fundiram-se os Estados da Guanabara e do Rio de Janeiro, com o nome de Estado do Rio de Janeiro, tendo a cidade do Rio de Janeiro como capital.
Fonte: www.mre.gov.br

 

Dados Demográficos

Capital: Rio de Janeiro

Região: Sudeste

População: 15.383.407 (estimativa 2005)

Área: 43.797,4 km2

Densidade demográfica: 328,6 habitantes por km2

Número de municípios: 92

Vegetação: mangue no litoral e mata Atlântica, floresta tropical

Clima: tropical atlântico

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH): 0,807 (2000)

Participação no PIB Nacional: 12,2% (2003)

 

Meio Ambiente

Pouco restou da cobertura vegetal do Rio de Janeiro, a maior parte de área verde restante estão situadas em locais menos acessíveis ou muito acidentados. A fauna é de Mata Atlântica, com mamíferos e numerosas aves.

Todavia, nas encostas montanhosas muito acidentadas da cidade do Rio de Janeiro encontram-se as duas maiores florestas urbanas do mundo: o maciço da Pedra Branca e a Floresta da Tijuca, que cobre uma extensão de 3.300 hectares e foi tombada pela ONU como reserva da Biosfera.

Estima-se que a Mata Atlântica recobria, ao tempo da chegada dos portugueses ao Brasil, cerca de 98% do território fluminense, englobando a mata propriamente dita (floresta ombrófila densa) e ecossistemas associados, como manguezais, restingas e campos de altitudes.

Hoje, no entanto, calcula-se que menos de 17% da superfície do Estado esteja recoberta por florestas, que se acham em vários estágios de conservação. O estado do Rio possui sob jurisdição e administração federal e estadual, aproximadamente 4.300 km², que se acham protegidos em unidades de conservação.

Há 19 unidades federais, entre parques nacionais, reservas biológicas e áreas de proteção ambiental administradas pelo Ibama, e 26 unidades estaduais, entre parques estaduais, reservas biológicas, estações ecológicas, áreas de proteção ambiental etc. administradas pelo IEF/RJ, Feema e Secretaria de Estado de Cultura.

O litoral fluminense divide-se em três trechos. O primeiro caracterizado pela presença de tabuleiros, baixadas e restingas. Vai do delta do Rio Paraíba do Sul, na região nordeste do estado, até a Cidade de Arraial do Cabo. É denominado Costa do Sol e inclui praias famosas como Cabo Frio e Búzios.

O segundo trecho marcado pela presença de restingas, lagunas e baixadas, estendendo-se desde Arraial do Cabo até a Ilha de Itacuruçá. Na cidade do Rio de Janeiro encontram-se exemplos típicos desse trecho de costa, com as Lagoas Rodrigo de Freitas e Jacarepaguá, e as restingas de Ipanema, do Leblon e da Marambaia.

O terceiro estende-se da Ilha de Itacuruçá até a região de Parati na divisa com São Paulo.

 

Culinária

A culinária do estado do Rio de Janeiro recebeu muita influência da corte portuguesa e da época em que foi a capital brasileira, grande parte de suas comidas. A feijoada e o bacalhau, podem ser considerados os representantes maiores da culinária carioca.

Entre os pratos de destaque temos: bacalhau a Gomes de Sá, bolinho de aipim, caldo verde, camarão ensopado com chuchu, canjiquinha, doce de pêra, a própria feijoada entre tantos outros.

 
Quem somos | Termos de uso
Viajando pelo Brasil | Datas comemorativas | Sala dos professores

Copyright © 2018 - IBEP - Coleção Eu Gosto - Todos os direitos reservados Um produto Editora IBEP